VOTE NA SUA PREFERIDA – CONHEÇA AS 4 POESIAS FINALISTAS DO CONCURSO “ESSE LUGAR TEM HISTÓRIA”, DANDO VOZ A NOSSA CIDADE

O Concurso de Poema e Poesia “Esse Lugar Tem História”, está chegando à reta final. Conheça agora os quatro trabalhos selecionadas pela comissão julgadora, na qual você internauta vai eleger os dois finalistas

Sem a identificação do autor (a), a partir desta etapa, os internautas irão votar nas melhores poesias e poemas. A votação vai até o dia 28 de maio e as duas poesias mais votadas receberá o prêmio de trezentos reais o primeiro lugar e duzentos reais o segundo lugar.

Dois três dias pelas matas,

para chegar no lugar certo.

Sempre era um pelo outro,

porém não era tão perto.

O calo levantava nos pés,

as bolhas na sola descalça

era mais certo.

Com as forças do Eterno Pai,

arriavam os cacais,

à par do córrego da onça.

Um pequeno lugarzinho aberto.

 

O motosserra roncando nas árvores,

as foices afiadas deitava capoeira,

foi expandindo barracas,

fazendo uma real clareira.

Logo estava fincada uma

linda cidade, de grandes comércios e feiras.

O sol que sempre brilhou ao Leste,

foi uma grande testemunha,

por luminar a criatura,

Nova Brasilândia D’Oeste.

 

Nasceu aqui e é eterno,

culinária e tradição,

veio o trabalho e o esporte,

também muita diversão.

O progresso multiplicou,

com exemplo na Educação,

respeito nacionalmente,

toda nossa religião.

Graças a um grande trabalho,

que nunca cortou atalho da

nossa administração.

 

Encerro aqui esses versos,

para não ter extensões,

agradecer a José Amércio,

o primeiro administrador tampão,

Hélio Mendes o atual,

Gelson Neves nosso irmão,

Juarez Martins e Silas Borges,

receba nossa gratidão.

Joaquim Rezende foi história,

ficou em nossa memória,

pois foi recebido na glória,

Ademar Peixoto Guimarães.

Do nordeste pra Rondônia 

A Paraíba era meu lugar 

Nova Brasilândia D’Oeste

A cidade que vim morar. 

Este lugar tem história 

Passo agora  a relatar 

Com diversos dialetos 

Que aprendi ao chegar.

O binga aqui é isqueiro 

Carriola é carro de mão

Curral é mangueira 

A dança era o vanerão.

Esse lugar é destaque

No âmbito da educação

No IDEB do estado 

Tem a maior pontuação.

Quando cheguei nesse lugar

Era a segunda administração

A infraestrutura era precária 

Não tinha nem iluminação.

As festas da Igreja 

Era a principal diversão

Aínda tinha os rodeios 

Como a festa do peão.

Lembro-me das cavalgadas 

Como uma grande atração

Da festa da cidade 

Que juntava multidão.

O tempo passou rápido 

E sempre irá de passar

Os 34 anos de emancipado

Este ano, vai comemorar.

Do passado ao presente 

Muita coisa aconteceu 

A cidade está urbanizada 

A hostilidade daqui morreu.

Este lugar tem história 

Na economia local 

Tem maior produtividade 

Do nosso café clonal.

Agropecuária é muito forte 

Ninguém pode discordar 

A pecuária extensiva

É o destaque do lugar.

A juventude no tereré

Os adultos no chimarrão

Existem ainda uma galera 

Que preserva a tradição.

Este lugar tem história 

Só vai contar quem viveu 

Do tempo do Cacaio

Como tudo aconteceu.

Já pertencemos a Médici

Antes da emancipação

Hoje somos independente

Temos nossa própria gestão.

Tem muitas coisa ainda 

Que posso mencionar

Em outra oportunidade 

Volto para continuar.

Terra nossa abençoada, cantinho do meu amor, terra sofrida e suada dada por nosso senhor. Dessa terra sai sustento, sai provento e dulçor, terra se vai com o vento, muitas vezes trazem lamentos por ser grande o seu labor.

Nessa minha terra boa quantas belezas tem aqui, lá no riacho se entoa o canto do bem- te-vi, corro e pulo na canoa, feito um moleque atoa pra pescar um lambari.

Ao ver toda essa beleza descem lágrimas do olhar, essa linda natureza fauna e flora a encantar, fico todo sorridente dentro desse ambiente chego até me emocionar.

Lembro daquele tempo em que meu pai me dizia de estrada sem cimento e casas sem energia, o piso era chão batido conforto ali não tinha, hoje é tudo ilusão carros, dinheiro e mansão, mas não tem a alegria.

Prefiro minha cidade, a minha cidadezinha porque pra mim felicidade é viver nela a cada dia. Riquezas aqui é objeto de pura figuração, pois saibam que meu projeto é ser um bom cidadão, e pra falar a verdade essa pequena cidade mora em meu coração.

Lugar de grandes culturas, festas e animações, terra mista e variada com tereré e chimarrões, festas juninas com quadrilha e também festa de peões, coisa boa que inspira muitas realizações, como o pai que ensina o filho a viver mostrando o brilho de suas emoções.

Cidade do bem-me-quer, comendo fruta no pé fico sempre a pensar, naquele doce de leite, doce de coco e também doce de jaracatiá, quando vai chegando a hora me levanto e vou embora para casa almoçar.

Logo depois do almoço vou beber água de poço para a sede saciar, tomo banho e vou pra escola pois não vejo a hora do estudo me formar, quero ser advogado pois já sofri um bocado sem alguém me respeitar.

O menino lá do campo agora tem o seu canto na cidade pra trabalhar, nas florestas de concreto tudo parece inserto, mas sei que tudo é deserto preciso nele plantar. Pois aqui só vejo asfalto dentre as ruas prédios altos, assim espero o tempo exato para me estabilizar.

Terra do gado, do leite e do café, do tambaqui, do pintado, tilápia e mandubé, aqui nada me espanta, nem mesmo quando a tal lontra quer pegar meu ganizé. Quando isso vou vendo, deixo tudo e vou correndo, chinelo até sai do pé.

Sou filho de capixaba misturado com mineiro, pois desse Brasil inteiro tem gente morando aqui, É carro indo e voltando, gente saindo e chegando, e aos poucos vamos formando o lugar onde nasci. Pra que fique na lembrança o tempo da esperança para os filhos que vão surgir.

Não preciso de desculpa pra poder jogar a culpa naquilo que me preocupa como mero cidadão, a dignidade plena daqueles que estão em cena diante dos fatos que depenam

 

minha leiga opinião. Mas pra falar a verdade, morar aqui nesta cidade mesmo com dificuldade, só me deixa com vontade de buscar finalidade pra ajudar o meu povão.

Aos caros Brasilandenses deixo aqui minha homenagem e a todos os descendentes nascidos nessa cidade, deixo minha poesia, meu anseio de verdade, meus versos e minhas rimas transmitem realidade, não com falsidade, mas com muita reverência, e que meu poema sincero reflita nas consciências, o amor a essa terra que jamais esse se encerra, em paz vencemos a guerra com amor e persistência.

Nova Brasilândia, cidade querida, tenho aqui a minha vida dedicada a te defender, sei que tudo é passageiro, mais o meu Brasil inteiro não é nada sem você.

Quero eu agradecer sinceramente á você pela sua atenção, quero me manter de pé por isso em Deus tenho fé e muita convicção, deixo aqui o meu abraço e com esses versos eu faço um pedido á você, tenha Deus no coração, ame mais o seu irmão, seja amigo, estenda a mão e assim seu galardão já espera por você.

Essa terra me acolheu, me deu trabalho e um lar

Aqui construí família, fiz daqui o meu lugar

A cada passo que dei fui observando sua evolução

Era só algumas casinhas, as ruas eram de chão

O progresso foi chegando, as ruas asfaltando

 E de repente a iluminação.

 

As pessoas que aqui vivem, são gentis educadas,

 Umas trabalham em comercio, outras trabalham na enxada,

 São pessoas felizes e bem determinadas

Que fizeram de Nova Brasilândia a sua morada

Povo festeiro e acolhedor, que através da sua cultura

Transmite o encanto do seu trabalho

Suas festas e suas danças e também seus vestuários,

Uma geração decidida a fazer desta terra querida

O seu lugar pra toda vida.

 

Nova Brasilândia tem lindas plantações,

É a terra do café, possui muitas irrigações,

Seus campos verdes florescem bem no alto da colina,

 Suas pastagens abastece toda a vida bovina.

Tem cachoeiras, tem pedrona, florestas e balneários,

Muitos peixes e muito verde que alegra todo o cenário,

Seus pescadores natos, sua culinária amazônica, que mistura com mineirez, paranaense, gaúchos e Capixaba,

Fazendo deste recanto uma mistura frenética,

Onde do campo a cidade vai se construindo na verdade uma Brasilândia eclética.

Pautada no respeito, no fazer bem feito e numa cidade com ética.